fbpx
SIGA O 24H

Brasil

Bolsonaro visita Foz e Curitiba e assina autorização para segunda ponte entre Brasil e Paraguai

Em Curitiba o presidente falou do decreto que autoriza o porte de armas para profissionais da segurança

Publicado

em

O presidente da República Jair Bolsonaro (PSL), visitou nesta sexta-feira (10) as cidades de Foz do Iguaçu e Curitiba. Em cerimônia na cidade que faz fronteira com o Paraguai, Bolsonaro assinou a autorização para o início das obras de uma segunda ponte que vai interligar o dois países. 

O contrato para a construção da nova ponte, prevê que a obra deve demorar três anos para a conclusão. Atualmente a única ligação entre os dois países é a Ponte Internacional da Amizade, que liga Foz do Iguaçu e Ciudad del Este. A nova ponte deve desafogar o intenso fluxo da Ponte da Amizade, além de estimular o desenvolvimento da região. 

O projeto será executado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit) e deve custar R$ 462.995.564, 22, valor que será custeado pela Itaipu Binacional, que garantiu não aumentar o custo de energia por causa das obras.

Imagem: Agência Brasil

Após cumprir agenda em Foz do Iguaçu, o presidente seguiu para Curitiba, onde chegou já no final desta tarde. Ao lado do ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, Bolsonaro participou de um evento no Palácio Iguaçu, que marca o início das atividades do Centro de Inteligência de Segurança Pública da Região Sul (CIISP-Sul). No evento também estiveram presentes o governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD) e diversas autoridades locais.  

Bolsonaro aproveitou o evento em Curitiba para lembrar do decreto que facilita o porte de armas, assinado por ele nesta semana. Segundo o presidente, a violência precisa ser combatida com inteligência, mas que os homens e mulheres que trabalham com segurança devem ter devida retaguarda jurídica. 

Durante todo o evento em Curitiba, manifestantes avessos ao presidente permaneceram concentrados em frente ao palácio do planalto com faixas que protestavam contra a reforma da previdência, cortes de verbas na educação e o decreto que facilitou o porte de armas.

Publicidade
Publicidade

Curta o 24Horas

EM 24HORAS >