- Publicidade -

Bolsonaro demite Ricardo Vélez do Ministério da Educação

Leia também:

Papai Noel é preso na Zona Oeste de Londrina acusado de estuprar filha e neta

Abusos contra a filha aconteciam desde que ela tinha 7 anos.

Caravana de Natal da Coca Cola passa por Londrina e Maringá na semana que vem

Cidades recebem os caminhões enfeitados no dia 13 e 14.

BRF abre 130 vagas de empregos em Londrina

Do total, 65 vagas serão preenchidas imediatamente.
Kátia Pêggohttps://www.24horas.com.br
Kátia Pêggo é jornalista formada pela Universidade Federal de Rondônia. Atua no 24Horas, em Londrina, desde abril de 2019.
- Publicidade -

Após receber críticas pelas trocas no comando de secretárias desde que assumiu o Ministério da Educação, Ricardo Vélez Rodrigues é exonerado por Jair Bolsonaro. A exoneração deve ser publicada no Diário Oficial somente na terça-feira (9).

Bolsonaro usou o Twitter para confirmar a demissão de Ricardo Vélez e já anunciar o novo comandante da pasta. “Comunico a todos a indicação do Professor Abraham Weintraub ao cargo de Ministro da Educação. Abraham é doutor, professor universitário e possui ampla experiência em gestão e o conhecimento necessário para a pasta. Aproveito para agradecer ao Prof. Vélez pelos serviços prestados”, publicou Bolsonaro na manhã desta segunda-feira (8).

O novo chefe do Ministério da Educação é economista e professor na Universidade de São Paulo (USP). Abraham Weintraub fez parte da equipe de transição de Temer para Bolsonaro e foi inicialmente cogitado como um nome para a Casa Civil.

O agora ex-ministro, Ricardo Vélez é colombiano, mas morador de Londrina onde é professor de Filosofia e autor de mais de 30 obras, além de Mestre em Pensamento Brasileiro pela Pontifícia Universidade Católica RJ, Doutor em Pensamento Luso-Brasileiro pela Universidade Gama Filho e Pós-Doutor pelo Centro de Pesquisas Políticas Raymond Aron, Paris. Vélez chegou ao cargo de ministro após indicação de Olavo de Carvalho.

Vélez é o segundo ministro a ser exonerado por Bolsonaro com menos de três meses de governo. O primeiro foi Gustavo Bebbiano, ex-secretário-geral da Presidência da República.

Durante sua gestão no Ministério da Educação, Vélez criou algumas polêmicas, a mais recente foi quando disse que o “31 de março” foi uma decisão soberana da sociedade brasileira, e que desejava mudar os livros didáticos para revisar a maneira como eles tratam a ditadura militar e o golpe de 1964.

 

Assine nossa Newsletter

Receba diariamente as principais notícias do Paraná e do Brasil.

Comentários

#Face24H

- Publicidade -