32 C
Londrina

Donald Trump sofre impeachment na Câmara e processo segue ao Senado

Presidente americano é o terceiro a sofrer impeachment na história.

Leia também:

Homem traído pela mulher se pendura na rede elétrica no Centro de Londrina

Ele tentou suicídio, mas não sofreu ferimento algum.

Filha de Silvio Santos pede demissão do SBT

Nesta quinta-feira (20) a apresentadora do "Bom dia e Cia", Silvia Abravanel, filha de Silvio Santos, surpreendeu a todos com um pedido de demissão. A confusão começou quando Silvia ficou indignada com uma fake news, falando que sua equipe teria ficado dispersa no programa de segunda-feira (17), pois a apresentadora teria faltado. Na quarta-feira (19), Silvia chamou no palco, ao vivo, membros de sua equipe para justificar sua falta. 

Policial morre em confronto durante assalto a banco em Telêmaco Borba

Bandidos estavam armados com fuzis e escopetas.
- Publicidade -

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tornou-se o terceiro presidente na história do país a sofrer impeachment, mas ele continuará no cargo até que o processo seja julgado pelo Senado.

Os deputados republicanos e democratas se confrontaram durante horas de debate na Câmara nesta quarta-feira (18) antes da votação pelo impeachment do presidente Trump por sua conduta em relação à Ucrânia.

A destituição do republicano foi apoiada por 230 deputados – eram necessários 216 votos. Outros 197 parlamentares se posicionaram contra o impeachment.

Enquanto a Câmara de Deputados dos EUA votava para a sua cassação, Trump fazia um comício a apoiadores no estado do Michigan.

As horas de debate hostil no plenário da Câmara refletiram a divisão partidária do país. Os republicanos argumentaram que não havia motivos para o impeachment, enquanto os democratas insistiram que o impeachment era um imperativo pelo dever ao país.

ARTIGOS DE IMPEACHMENT

Os dois artigos de impeachment que foram votados nesta quarta-feira foram enviados ao plenário pelo Comitê Judiciário da Câmara e dizem o seguinte:

Artigo 1 – Abuso de poder:

A primeira acusação diz respeito ao pedido feito por Trump à Ucrânia para que investigasse seu possível adversário eleitoral em 2020, o ex-vice-presidente dos EUA Joe Biden. Em troca, Trump daria uma crucial ajuda militar para o país que enfrenta uma guerra com separatistas pró-russos.

Artigo 2 – Obstrução do Congresso:

A segunda acusação se refere à tentativa de bloquear os esforços dos legisladores para investigar as ações do presidente republicano, que teria instruído funcionários do governo a não obedecer intimações para depor durante as investigações dos comitês da Câmara.

JULGAMENTO NO SENADO

O processo agora deverá ser julgado pelo Senado. A Constituição dos EUA dá à Câmara dos Deputados a competência exclusiva de iniciar o impeachment e ao Senado a competência exclusiva de julgar casos de impeachment de presidentes.

O julgamento de Trump no Senado provavelmente acontecerá em janeiro. Por enquanto, nas condições políticas atuais, a previsão é de que o presidente seja absolvido na Câmara Alta: seria necessária uma maioria de dois terços – ou seja, pelo menos 67 votos.

O Senado tem 100 congressistas, dos quais 53 são republicanos, 45, democratas e dois, independentes.

O líder republicano na Casa, Mitch McConnell, declarou na terça que “a investigação apressada” dos democratas da Câmara, visando à destituição do presidente, é um fracasso e rejeitou a exigência democrata de convocar novas testemunhas.

“Não é tarefa do Senado procurar desesperadamente maneiras de condenar (o presidente). Isso dificilmente seria uma Justiça imparcial”, criticou McConnell.

DEFESAS

Um dos comentários mais curiosos do dia foi o do deputado republicano Barry Loudermilk, da Geórgia, que comparou os democratas a Pôncio Pilatos, o juiz romano que foi crucial nos eventos que levaram à morte de Jesus, segundo o Novo Testamento.

“Antes de vocês participarem dessa votação histórica hoje, uma semana antes do Natal, quero que vocês tenham isso em mente: quando Jesus foi falsamente acusado de traição, Pôncio Pilatos deu a Jesus a oportunidade de enfrentar seus acusadores”, disse Loudermilk durante sua fala no plenário da Câmara. “Durante aquele falso julgamento, Pôncio Pilatos concedeu mais direitos a Jesus do que os democratas concederam a esse presidente nesse processo.”

O presidente do Comitê Judiciário da Câmara, o democrata Jerrold Nadler, respondeu: “Foi dada ao presidente a oportunidade de vir e testemunhar… de enviar seu conselho, de interrogar testemunhas. Ele se recusou a fazê-lo.”

O republicano Mike Kelly disse que, da mesma maneira que o dia do ataque à base militar de Pearl Harbor durante a Segunda Guerra, o dia de hoje é “outra data que vai viver na infâmia”.

“Em 7 de dezembro de 1941, um ato hediondo aconteceu nos Estados Unidos, sobre o qual o presidente Roosevelt falou, ‘essa é uma data que viverá na infâmia’. O dia de hoje, 18 de dezembro de 2019, é outra data que viverá na infâmia”, disse ele.

Enquanto os deputados debatiam, as visitas guiadas ao Capitólio continuavam, apesar da solenidade em torno da votação. Guias levavam turistas ao andar superior da Câmara para testemunhar o momento.

Do lado de fora, centenas de manifestantes se reuniram diante do Capitólio para demonstrar apoio ao impeachment de Trump.

TERCEIRO NA HISTÓRIA

Apenas dois presidentes dos Estados Unidos sofreram impeachment do Congresso: Andrew Johnson em 1868 e Bill Clinton em 1998. O presidente Richard Nixon renunciou em 1974 antes que a Câmara pudesse votar em artigos de impeachment relacionados ao escândalo de Watergate.

Assine nossa Newsletter

Receba diariamente as principais notícias do Paraná e do Brasil.

Comentários

#Face24H

- Publicidade -