Sexta, 25 de Setembro de 2020 14:56
(43) 99953-0833
Notícias Dilma:

Dilma: 'Bolsonaro morreu pela boca'

Dilma: 'Bolsonaro morreu pela boca'

28/10/2018 15h41 Atualizada há 2 anos
Por: Redação
Dilma: 'Bolsonaro morreu pela boca'
BELO HORIZONTE, MG - A ex-presidente Dilma Rousseff, que não conseguiu se eleger senadora em Minas Gerais, disse acreditar numa virada de Fernando Haddad (PT) contra Jair Bolsonaro (PSL) na eleição presidencial. “Acho que toda a tendência é de virada. O candidato Bolsonaro morreu pela boca. Teve uma revelação clara sobre o que ele pensava”, afirmou ao votar em um colégio na região da Pampulha, em Belo Horizonte, assim que as seções eleitorais foram abertas, por volta das 8h05. Ao comentar as declarações de Bolsonaro, Dilma se referiu principalmente à fala de Eduardo Bolsonaro, filho do capitão reformado e deputado federal por São Paulo, sobre fechar o Supremo Tribunal Federal com um cabo e um soldado. “Quando o filho dele fala aquilo a respeito do Supremo Tribunal Federal mostra um grau de autoritarismo e desrespeito pelo Estado democrático de Direito. É uma bravata, mas que evidencia um grau de quase fascismo, porque quem pretende fechar tribunal, na verdade, tem uma perspectiva fascista”, disse Dilma à Folha de S.Paulo. Dilma afirmou esperar que a hipótese de vitória de Bolsonaro não prevaleça nas urnas, porém, caso isso ocorra, defendeu resistência. “Acho que vai caber uma grande resistência. Agora, eu acredito que o povo brasileiro hoje, neste domingo, 28 de outubro, vai resistir e vai haver uma virada. É aquela esperança que temos que ter para que de fato esse país entre nos trilhos, para que possamos voltar a crescer e criar empregos.” A ex-presidente também lembrou a fala de Bolsonaro contra opositores ao defender resistência caso ele seja eleito. “Temos que esperar a resistência da democracia brasileira, das instituições, dos partidos políticos e dos movimentos sociais. Porque a segunda coisa grave que ele falou foi que os opositores têm que ir para a cadeia ou para o exílio e os movimentos sociais têm que ser criminalizados porque são terroristas”, disse. Sobre não ter sido eleita, Dilma disse ter recebido o resultado “com surpresa, como todo mundo”. Nas pesquisas eleitorais, durante todo o primeiro turno, ela apareceu isolada em primeiro na disputa por duas vagas ao Senado. A petista terminou em quarto lugar, com 15,35% dos votos. “Eu, a torcida do Atlético e também, apesar de eu ser atleticana, vou falar também a do Cruzeiro, recebemos com estarrecimento”, brincou aos risos. Dilma também lembrou o papel do WhatsApp na eleição. Reportagem da Folha mostrou que empresários impulsionaram disparos pelo aplicativo contra o PT. “É muito estranho o que aconteceu aqui em Minas, no Rio e no Distrito Federal, com uma mudança tão súbita dos votos. Acho que ao longo dos próximos anos vai se discutir muito o que aconteceu, como foi o processo do WhatsApp. Agora, eleição não se discute o resultado, a não ser que haja um indício muito forte”, afirmou. Sobre participar de um eventual governo Haddad, Dilma afirmou que a formação de ministérios só será discutida durante a transição em caso de vitória. “Nós não somos como eles, não ficamos escolhendo governo antes de de fato o povo nos dar a vitória”, criticou. A respeito do papel do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso em Curitiba, num governo Haddad, Dilma disse que o petista sempre terá papel relevante do seu ponto de vista e criticou sua condenação. “Ele sempre terá um papel deste país e na história do PT. Essa criminalização do presidente Lula é algo que nenhum país do do mundo reconhece. Eu tenho viajado pelo mundo todo discutindo, não só em universidades, mas também com movimentos sociais e partidos políticos, e há um imenso respeito pelo presidente Lula. Há um grande questionamento até pela ONU sobre a base da condenação do presidente Lula. Do meu ponto de vista, ele sempre terá um papel relevante.” SEM TUMULTO Dilma votou sem tumulto assim que o colégio Santa Marcelina, próximo à residência de sua mãe, foi aberto. Não houve manifestação contrária de eleitores, ela apenas recebeu um abraço e um livro de uma senhora: “nunca vou esquecer de você, Dilma”. A ex-presidente entrou e saiu pela porta lateral do colégio, onde um carro ficou estacionado. Estava acompanhada de três seguranças e duas pessoas. A Folha foi o único veículo a acompanhar sua votação. Ainda neste domingo, ela embarca para São Paulo, onde assiste à apuração com Haddad. No primeiro turno, a votação foi mais tumultuada. Dilma chegou a pé, acompanhada de seguranças, apoiadores, deputados petistas e do governador Fernando Pimentel (PT), que também perdeu a eleição no estado. Na ocasião, Dilma entrou pela porta da frente por volta das 10h e foi logo cercada pela imprensa. Houve vaias e também gritos de apoiadores. FOLHAPRESS
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Londrina - PR
Atualizado às 14h48 - Fonte: Climatempo
33°
Poucas nuvens

Mín. 19° Máx. 33°

32° Sensação
7 km/h Vento
30% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (26/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 19° Máx. 35°

Sol
Domingo (27/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 37°

Sol