Câmara de Londrina autoriza privatização da Sercomtel

Leia também:

Londrina vira assunto no Twitter por relatos de violência sexual entre jovens e adolescentes

Elas chamam a atenção para casos de violência e abusos, e pedem por Justiça.

Aumento dos casos de coronavírus em Londrina leva MP a pedir novo fechamento do comércio

Promotoria diz que cidade não segue recomendações científicas.

Guardas Municipais são indiciados pela morte de adolescente de 16 anos em Londrina

Crime aconteceu em outubro de 2019 no Jardim Bandeirantes.
Derick Fernandeshttps://www.24horas.com.br
O jornalista Derick Fernandes é editor chefe do 24Horas
- Publicidade -

Os vereadores de Londrina aceitaram o projeto de lei 40/2019, de autoria do Executivo, que permite a privatização da Sercomtel. Foram 14 votos favoráveis contra cinco que deram a aprovação da lei, que agora segue para sansão do prefeito Marcelo Belinati (PP). Eram necessários 10 votos para aprovar a proposta de desestatização da operadora.

A sessão encerrou por volta das 20h30 desta quinta-feira (06), após a matéria ser chamada em regime de urgência pela liderança da prefeito. O debate maior foi entorno do prazo de caducidade estabelecido pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) previsto para o dia 23 de julho. Funcionários da empresa questionaram os prazos defendidos pela prefeitura, e pressionaram a retirada da proposta da pauta.

Claudio Tedeschi, presidente da companhia, salientou que o debate sobre o prazo é secundário, diante da gravidade em que se encontra as contas da operadora. “A empresa está se deteriorando e quanto mais demora para que uma medida seja tomada, pior fica”, disse. Tedeschi também argumentou que, mesmo com a privatização, a proposta é manter a Sercomtel em Londrina.

O presidente da empresa também falou que o processo de caducidade se arrasta desde julho de 2017. Com a aprovação da proposta, o próximo passo é buscar uma empresa que se interesse em assumir o controle acionário da Sercomtel. O principal caminho para isso, para Tedeschi, é a ‘chamada de capital’, isso é, abrir as ações da companhia para quem der a maior capitalização. Os valores giram em torno de R$ 120 milhões.

EMENDAS

As emendas aprovadas pelos vereadores, também dão detalhes de como será feita a compra do controle acionário das duas subsidiárias: A Sercomtel Iluminação e Sercomtel Contact Center. De acordo com a proposta, o município pode comprar ações das empresas parcialmente, e não somente integral. Após obter ações suficientes para garantir o controle acionário da Sercomtel Iluminação, esta empresa será transformada, por meio de uma lei, em uma sociedade de capital misto.

A quarta emenda do projeto, também de autoria do Executivo, altera o artigo para permitir que o município altere a denominação e o objeto social das empresas.

Fique ligado:

- Publicidade -