Funcionários da Sanepar param atividades em repúdio a MP que facilita privatização do setor

Leia também:

Londrina vira assunto no Twitter por relatos de violência sexual entre jovens e adolescentes

Elas chamam a atenção para casos de violência e abusos, e pedem por Justiça.

Aumento dos casos de coronavírus em Londrina leva MP a pedir novo fechamento do comércio

Promotoria diz que cidade não segue recomendações científicas.

Guardas Municipais são indiciados pela morte de adolescente de 16 anos em Londrina

Crime aconteceu em outubro de 2019 no Jardim Bandeirantes.
Derick Fernandeshttps://www.24horas.com.br
O jornalista Derick Fernandes é editor chefe do 24Horas
- Publicidade -

Funcionários da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), protestaram no início da tarde de segunda-feira (13), em todo o estado, e se posicionaram contra a Medida Provisória (MP) 868, que altera o marco regulatório do saneamento em todo o país. A votação da MP está na pauta da Câmara Federal desta terça-feira (14).

Em Curitiba, a manifestação foi na sede Sanepar, com a participação de diretores da companhia, representantes da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes), do Sindicato dos Engenheiros do Paraná (Senge), do Sindicato dos Trabalhadores das Empresas de Saneamento (Saemac) e do Sindicato dos Químicos. Em todo o país, ocorreram mobilizações semelhantes. A Abes questiona a forma como o Governo Federal tem encaminhado a proposta de mudança, sem discutir com o setor.

Desde a sua apresentação, ainda no governo de Michel Temem (PMDB), a MP vem sendo criticada por instituições do setor e apoiada por empresários e multinacionais que atuam com saneamento. Os apoiadores argumentam que o Estado não tem dado conta dos investimentos necessários, já os críticos, alegam que a privatização geraria tarifas maiores para a população, uma vez que essas empresas não desfrutam de privilégios na hora de fazer um empréstimo, por exemplo.

Tasso Jereissati (PSDB-CE), relator da medida, explica que a Agência Nacional de Águas (ANA) ficaria responsável por regular as tarifas cobradas e estabelecer mecanismos de subsídio para populações de baixa renda. Já os contratos de saneamento passariam a ser estabelecidos por meio de licitações, facilitando a criação de parcerias público-privadas.

 

 

Fique ligado:

- Publicidade -