Ponta Grossa pretende zerar tarifa do transporte coletivo

Prefeito anunciou municipalização do transporte e tarifa zero.

Leia também:

Dengue chega a quase 88 mil casos no Paraná; 69 morreram

Estado tem mais de 204 mil casos suspeitos.

Com oito testes positivos, Londrina vai a 34 casos de coronavírus

Cidade confirmou oito novos casos. Cinco pessoas estão na UTI.

Caminhoneiros passam fome nas estradas e dizem não ter onde se alimentar

Com tudo fechado, eles não tem onde se alimentar.
Redaçãohttps://www.24horas.com.br
Reportagens da Redação 24Horas

Afirmando ser o maior anúncio da história de Ponta Grossa, o prefeito Marcelo Rangel (PSDB) confirmou nesta quarta-feira (11) a municipalização do transporte coletivo, com a implantação da tarifa zero.

Em entrevista coletiva realizada em seu gabinete e acompanhado de outras autoridades do município, ele classificou o dia como histórico e revelou que o projeto é inédito e pode ser usado como exemplo pelo governo estadual após ser implantado.

Durante a coletiva, o prefeito leu parte do projeto de lei protocolado na Câmara Municipal que altera a lei municipal 7.018, de 6 de dezembro de 2002. O portal aRede ainda não teve acesso ao PL para entender todos os detalhes da proposta do governo municipal.

Prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel – Foto: Divulgação

Mais informações serão divulgadas ao longo do dia com as minúcias do projeto, a repercussão junto aos órgãos públicos e também a contrapartida da Viação Campos Gerais, atual concessionária do transporte coletivo no município.

Sobre a proposta do prefeito, a Viação Campos Gerais emitiu a seguinte nota:

‘Toda iniciativa que visa tornar o transporte coletivo mais democrático e acessível para todos é vista com bons olhos. E é importante que o poder público perceba necessidade de novas fontes de custeio para tornar isso viável.

Quanto a forma de operacionalizar essa nova metodologia precisa ser tratada com cautela. É necessário avaliar entre as partes, haja visto que existe um contrato vigente com matriz de risco previamente estabelecida e qualquer alteração precisa respeitar o equlíbrio econômico- financeiro nele garantido.

É necessário que se apresente todos os detalhamentos da regulamentação do projeto, que até o momento não dispomos até porque o anúncio ainda não terminou.’

Com informações aRede.info

Comentários

#Face24H

- Publicidade -