29 C
Londrina

Dono de bar some com dinheiro arrecadado em ação para bebê com hidrocefalia em Cascavel

Mãe lamentou atitude do homem e fez desabafo.

Leia também:

Homem traído pela mulher se pendura na rede elétrica no Centro de Londrina

Ele tentou suicídio, mas não sofreu ferimento algum.

Homem morre em acidente entre moto e ônibus na Dez de Dezembro

Acidente aconteceu próximo ao acesso do Jardim Piza, na Zona Sul.

Pai, mãe e filho morrem em acidente na BR-101 em Jaguaré, no ES

Vítimas estavam indo passar o feriado de carnaval no litoral.
Derick Fernandeshttps://www.24horas.com.br
O jornalista Derick Fernandes é editor chefe do 24Horas
- Publicidade -

Uma situação revoltante repercute nas redes sociais em Cascavel. Uma mãe acusou do dono de um bar de não repassar o dinheiro arrecadado durante uma ação beneficente em prol de seu bebê de um ano e oito meses. Heitor Rodrigues Lopes nasceu prematuro e sempre precisou de cuidados especiais, pois tem paralisia cerebral, hidrocefalia e epilepsia.

O tratamento exige muitos recursos, e por isso, voluntários e amigos da família de Eliane Rodrigues promovem uma série de campanhas para colaborar financeiramente com os atendimentos médicos.

Imagem da divulgação do evento publicada pelo bar

Em 12 de outubro do ano passado, um evento foi promovido em Cascavel, tendo como parceiro um bar da cidade que se dispôs a doar o valor arrecadado na ação para o tratamento da criança.

Passada a festa que deveria ser solidária, os organizadores e pais da criança foram surpreendidos pelo dono do estabelecimento que não repassou o dinheiro, assim como tinha sido combinado anteriormente.

“Logo após o evento ele começou a dar desculpas e não respondeu mais ninguém. As meninas que organizaram me avisaram da situação e eu resolvi expor o problema porque desde outubro que ele não responde mais. O dinheiro seria usado na viagem a Brasília, mas tivemos que fazer outro evento para arrecadar o dinheiro”.

A atitude deixou a mãe do Heitor bastante chateada, pois em nenhum momento o dono do estabelecimento foi obrigado a promover a ação, causando um transtorno muito maior e utilizando o evento beneficente como forma de autopromoção.

“Penso que ninguém é obrigado a ajudar, a ajuda tem que vir do coração, ele se aproveitou da ação para aparecer. Eu não iria falar sobre o assunto, mas as pessoas precisam saber dessa atitude dele”.

Assine nossa Newsletter

Receba diariamente as principais notícias do Paraná e do Brasil.

Comentários

#Face24H

- Publicidade -