Escolas estaduais e municipais do Paraná aderem paralisação nesta quarta-feira (15)

Leia também:

Londrina vira assunto no Twitter por relatos de violência sexual entre jovens e adolescentes

Elas chamam a atenção para casos de violência e abusos, e pedem por Justiça.

Incêndio de grandes proporções destrói antigo hotel no Centro de Curitiba

Prédio ficou completamente destruído e tinha risco de desabar.
Derick Fernandeshttps://www.24horas.com.br
O jornalista Derick Fernandes é editor chefe do 24Horas
- Publicidade -

Trabalhadores da Educação cruzarão os braços nesta quarta-feira (15), em todo o país, contra a reforma da Previdência e corte de verbas no setor, anunciado na semana passada pelo ministro da Educação Abraham Weintraub. Em Londrina, a mobilização será a partir das 9h da manhã no Calçadão. Em Curitiba, manifestantes partirão às 8h30 da Praça Santos Andrade até o Centro Cívico.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub.

No início do mês, o Ministério da Educação (MEC), anunciou cortes de 30% nas verbas de custeio e investimentos das instituições federais, um congelamento de mais de R$ 7 bilhões. Weintraub tem insistido, que esses recursos serão liberados com a provação da reforma da Previdência e da retomada da economia no país. A equipe de Bolsonaro, tem garantido ainda, que investimento na educação infantil será prioridade, o que não tem convencido os sindicatos.

José de Ribamar Barroso, diretor executivo da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimento de Ensino (CONTEE) que representa os professores da rede particular de ensino, disse que além dos servidores públicos, os educadores das escolas particulares sofrerão ainda mais com a reforma de Bolsonaro.

Diante do impasse, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) que havia anunciado uma greve geral para o dia 14 de junho, adiantou a paralisação para esta quarta, 15 de maio.

Fique ligado:

- Publicidade -