Governadores do Sul e Sudeste discutem rede de apoio a caminhoneiros nas estradas

Medida é tomada para evitar desabastecimento.

Leia também:

Maringá confirma as primeiras mortes por coronavírus no Paraná

Vítimas tinham 84 e 54 anos. Outras pessoas estão na UTI com suspeita da doença.

Londrina confirma mais três casos de coronavírus; Total vai a seis

Treze adultos e duas crianças estão em UTIs com suspeita da doença.

Governo do Paraná decide manter comércio fechado por mais dez dias

Cidades do Oeste foram na contramão das decisões do governador.
Redaçãohttps://www.24horas.com.br
Reportagens da Redação 24Horas

Governadores do estados do Sul e do Sudeste se reuniram por videoconferência nesta segunda-feira (23) com o ministro da Infraestrutura, Tercísio Freitas, para discutir medidas que serão tomadas para evitar o desabastecimento das cidades do país.

Entre os assuntos, os governadores também discutiram a alteração de decretos do fechamento do comércio e restaurantes, possibilitando que estabelecimentos na beira das rodovias estejam abertos para atender os caminhoneiros.

O assunto foi abordado neste domingo (22) pelo 24Horas, e teve repercussão em Brasília. A reportagem destacou que caminhoneiros estão passando fome nas estradas pela falta de locais abertos para alimentação, e também encontram dificuldade nos acessos a serviços de saúde. A categoria cogitou parar as atividades para chamar a atenção do governo.

Presente na reunião, o governador do Paraná Carlos Massa Ratinho Junior disse que o estado adotou medidas para não prejudicar a circulação de caminhões. Ele também citou que pediu reforço na estrutura de apoio aos motoristas em Paranaguá.

“Criamos um ambiente favorável para atender esses profissionais neste momento tão difícil, mostrando que o Paraná se preocupa com essa atividade tão importante para a população”, afirmou o governador. “Uma área para saúde, higienização e acomodação para os caminhoneiros. Também estamos trabalhando para garantir a alimentação dessas pessoas”, disse.

Ratinho Junior ainda destacou que o governo emitiu um decreto estabelecendo 33 atividades essenciais que precisam manter o funcionamento, mesmo com a orientação de se evitar a circulação e a aglomeração de pessoas. O governador lembrou que entre os serviços, está o transporte e entrega de cargas em geral.

PREOCUPAÇÃO COM OS CAMINHONEIROS

O ministro da Infraestrutura revelou que a União busca uma unidade sobre o tema entre os Estados, impedindo que qualquer determinação mais abrangente impeça a circulação de mercadorias e remédios. “Não podemos permitir que falte produtos nos supermercados, farmácias e hospitais”, disse Gomes de Freitas.

Entre as preocupações colocadas pelo ministro está a atenção aos motoristas. “O mesmo vale para restaurantes e oficinas localizadas na beira de estradas. Se o caminhão estragar, precisa ser consertado. E os caminhoneiros precisam se alimentar”, completou.

Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo se comprometeram a manter as divisas abertas, mas com reforço na fiscalização para evirar a circulação do vírus.

Participaram da reunião os governadores Eduardo Leite (Rio Grande do Sul), Carlos Moisés (Santa Catarina), João Dória (São Paulo), Wilson Witzel (Rio de Janeiro), Romeu Zema (Minas Gerais) e Renato Casagrande (Espírito Santo); os secretários de Estado Guto Silva (Casa Civil), Renê Garcia (Fazenda), Sandro Alex (Infraestrutura e Logística) e Beto Preto (Saúde); Eduardo Bekin, diretor-presidente da Invest Paraná; e o diretor-geral da Secretaria da Saúde, Nestor Werner Junior.

Assine nossa Newsletter

Receba diariamente as principais notícias do Paraná e do Brasil.

Comentários

#Face24H

- Publicidade -