Governo do Paraná autoriza abertura de igrejas

Tempos tem ocupação limitada a 30%

Leia também:

Londrina vira assunto no Twitter por relatos de violência sexual entre jovens e adolescentes

Elas chamam a atenção para casos de violência e abusos, e pedem por Justiça.

Homem que estava em carro roubado morre em confronto na BR-369 em Cambé

Homem estava armado. Polícia encontrou droga no carro.
Derick Fernandeshttps://www.24horas.com.br
O jornalista Derick Fernandes é editor chefe do 24Horas
- Publicidade -

O Paraná passou a permitir a celebração de cultos religiosos em igrejas e templos, com lotação máxima de 30%. Uma resolução publicada pela Secretaria de Estado da Saúde (SESA) autoriza o início das celebrações a partir desta sexta-feira (22).

As regras foram criadas pelo Centro de Operações em Emergências (COE) e são consideradas rígidas pelo governo no enfrentamento da pandemia. Até o momento, o Paraná já registrou 2.810 casos e 141 mortes por coronavírus.

A resolução publicada pela SESA ainda define que o público deverá estar a pelo menos dois metros de distância nas igrejas, além da obrigatoriedade do uso de máscaras.

+ LEIA A RESOLUÇÃO
+ CASOS NO PARANÁ: Último boletim

O protocolo também define que as igrejas deem preferência a cadeiras individuais, ao invés de bancos coletivos. No caso do uso desse assento, o móvel terá que ser marcado para que os fiéis mantenham o afastamento mínimo.

Catedral de Londrina – Foto: Divulgação

De acordo com o protocolo, devem ser disponibilizados preferencialmente cadeiras e bancos de uso individualizado. No caso do uso de bancos coletivos, o móvel precisará ser reorganizado e demarcado, de forma a garantir que as pessoas mantenham o afastamento mínimo.

As religiões devem evitar contato físico e prática de aproximação entre as pessoas, como dar as mãos, beijos, abraços, etc. Estabelece ainda que elementos religiosos não sejam dados nas bocas dos fiéis.

Os templos ainda tem que seguir outras regras, como fornecimento de álcool gel e condições plenas de higiene. A SESA ainda não recomenda no protocolo a participação de pessoas do grupo de risco, como idosos e hipertensos, nos cultos religiosos.

Fique ligado:

- Publicidade -