- Publicidade -

Grande Londrina diz que não tem dinheiro para pagar rescisões dos funcionários; Sindicato teme calote

Leia também:

Jovem de 19 anos morre atropelado na BR-369 em Apucarana

Acidente aconteceu próximo ao monumento do boné, na entrada da cidade.

BRF abre 130 vagas de empregos em Londrina

Do total, 65 vagas serão preenchidas imediatamente.

Caravana de Natal da Coca Cola passa por Londrina e Maringá na semana que vem

Cidades recebem os caminhões enfeitados no dia 13 e 14.
Derick Fernandeshttps://www.24horas.com.br
O jornalista Derick Fernandes é editor chefe do 24Horas
- Publicidade -

LONDRINA – No protagonismo de uma briga com a Prefeitura de Londrina, a Transportes Coletivos Grande Londrina (TCGL), depois de anunciar que encerraria as atividades na cidade por não estar de acordo com o edital de licitação aberto pelo poder executivo, que dispõe do sistema de transporte público, também informou que não tem dinheiro para honrar com a rescisão contratual dos milhares de funcionários, que podem ser demitidos em massa a partir de janeiro de 2019.

Segundo a própria TCGL, a empresa não tem recursos em caixa e pretende negociar os pagamentos remanescentes a quem for demitido. Esses remanescentes incluem acertos e benefícios, inclusive o seguro desemprego. O Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Londrina (Sinttrol), observa com preocupação todas essas informações; embora a Grande Londrina diga que não dará calote em ninguém, o risco existe e pode ser real. A empresa, no entanto, não aprofundou o assunto.

O Sinttrol não descarta que funcionários da empresa paralisem as atividades antes do encerramento contratual. Nesta terça-feira (04), o presidente do sindicato, João Batista, esteve na Câmara Municipal para informar a preocupação da categoria com a situação. As demissões em massa colocam em risco a data base dos trabalhadores, prevista para 1º de janeiro. Caso a TCGL não honre com os pagamentos dos funcionários, o calote pode chegar na casa dos milhões de reais.

DEMISSÕES

Mais de 1.6 mil funcionários da TCGL foram pegos de surpresa com o anúncio do encerramento das operações. A Grande Londrina faz pressão para que a prefeitura ceda e lance novo edital economicamente mais vantajoso para a empresa, que também ameaça deixar a cidade sem ônibus em 19 de janeiro, caso o valor da passam não seja reajustado para R$ 4,60.

O prefeito Marcelo Belinati disse que não aceitará a exigência da empresa, e que outras estão interessadas no certame. “Não vou autorizar. R$ 4,60 a tarifa? Povo de Londrina, vocês querem a passagem a R$ 4,60?” disse em coletiva de imprensa na segunda-feira.

LICITAÇÃO

O edital lançado pela Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU) prevê uma melhor divisão das linhas e o reajuste da tarifa, conforme relatório de indicadores de qualidade. Marcelo Cortez, presidente da companhia, falou com o 24H e frisou: “Queremos um transporte com melhor qualidade. Vamos buscar implantar novos métodos eletrônicos de pagamento, criar linhas expressas, e monitorar a circulação dos ônibus em tempo real para que possamos investir na melhoria do sistema”.

Assine nossa Newsletter

Receba diariamente as principais notícias do Paraná e do Brasil.

Comentários

#Face24H

- Publicidade -