Londrina inicia estudos para implantação do Metrô

Leia também:

Londrina vira assunto no Twitter por relatos de violência sexual entre jovens e adolescentes

Elas chamam a atenção para casos de violência e abusos, e pedem por Justiça.

Aumento dos casos de coronavírus em Londrina leva MP a pedir novo fechamento do comércio

Promotoria diz que cidade não segue recomendações científicas.

Guardas Municipais são indiciados pela morte de adolescente de 16 anos em Londrina

Crime aconteceu em outubro de 2019 no Jardim Bandeirantes.
Derick Fernandeshttps://www.24horas.com.br
O jornalista Derick Fernandes é editor chefe do 24Horas
- Publicidade -

A cidade de Londrina pode ser usada como vitrine por investidores chineses para a implantação de uma tecnologia inovadora sobre mobilidade urbana. Trata-se do MagLev, um sistema de metrô que funciona por levitação magnética, e que ligaria as cidades de Ibiporã, Londrina e Cambé.

Um convênio entre a Prefeitura de Londrina e a Universidade Estadual de Londrina (UEL) foi assinado para elaboração do estudo técnico para a implantação do sistema, indicado para cidades de porte médio. Participaram da assinatura o secretário municipal de Governo, Juarez Tridapalli, o secretário municipal de Planejamento, Marcelo Canhada, e o assessor para assuntos especiais, Luis Figueira.

A tecnologia de origem chinesa prevê investimentos de até R$ 2 bilhões. Os fabricantes têm interesse em repassar a expertise no projeto, desde que haja um convênio com uma universidade pública para seu desenvolvimento. Na China, o sistema MagLev já é utilizado com sucesso por duas cidades de até 1 milhão de habitantes.

TRECHO

A princípio, o sistema ligaria os centros de Ibiporã e Cambé, passando pelo centro de Londrina, em uma futura estação que seria planejada na Avenida Leste-Oeste. A previsão é que boa parte do sistema seja subterrâneo, mas também com trechos elevados.

O MagLev trata-se de um trem de alta velocidade (TAV), movimentado por propulsão magnética. O trem levita sobre a linha e atinge velocidades altas em alguns segundos, possibilitando viagens rápidas.

Londrina é a primeira cidade do Brasil a iniciar estudos para o sistema.

Fique ligado:

- Publicidade -