Multa para comércio que abrir na quarentena é de até R$ 10,8 mil

GM e Polícia Militar farão fiscalização.

Leia também:

Maringá confirma as primeiras mortes por coronavírus no Paraná

Vítimas tinham 84 e 54 anos. Outras pessoas estão na UTI com suspeita da doença.

Londrina confirma mais três casos de coronavírus; Total vai a seis

Treze adultos e duas crianças estão em UTIs com suspeita da doença.

Governo do Paraná decide manter comércio fechado por mais dez dias

Cidades do Oeste foram na contramão das decisões do governador.
Derick Fernandeshttps://www.24horas.com.br
O jornalista Derick Fernandes é editor chefe do 24Horas

O comerciante que desrespeitar as regras de isolamento, e mesmo assim abrir as portas durante a quarentena, está sujeito a multas que variam entre R$ 280 e R$ 10,8 mil. A informação foi dada hoje pela Secretaria Municipal da Fazenda durante entrevista coletiva.

Nesta segunda-feira (23), equipes da Guarda Municipal em conjunto com a Polícia Militar e Procon fizeram a fiscalização dos comércios abertos na cidade. O objetivo é averiguar quem funciona fora das normas ou quem está desrespeitando o decreto 346/2020, que determina o fechamento do comércio na cidade em razão da pandemia de coronavírus.

O Secretário de Defesa Social, Pedro Ramos, disse que a população poderá fazer denúncias de irregularidades através do telefone 153, da Guarda Municipal. Apenas este canal estará funcionando para denúncias, disse o secretário.

Secretários anunciaram penalidades para quem abrir o comércio na quarentena – Foto: Divulgação / N.COM

Apenas serviços essenciais, como mercados, farmácias, postos de combustíveis, padarias e açougues podem funcionar. Um decreto do Governo do Paraná listou atividades que podem funcionar no estado (Clique aqui para ver).

COMPRA PREFERENCIAL

Além disso, a Prefeitura de Londrina também iniciou hoje a visita a empresas de fornecimento de materiais médicos, equipamentos hospitalares e medicamentos. O objetivo é adquirir todo material necessário para os profissionais de saúde. A medida, embora extrema, é prevista para salvaguardar o atendimento ao sistema de saúde nacional.

O fornecedor é obrigado a ceder os produtos, e tem um prazo para receber o valor por eles. Entretanto, a prefeitura deixou claro que os pagamentos são feitos.

Assine nossa Newsletter

Receba diariamente as principais notícias do Paraná e do Brasil.

Comentários

#Face24H

- Publicidade -