SIGA O 24H

Cidadania

Museu de Arte de Londrina passa por revitalização

Prédio abrigava rodoviária de Londrina até os anos 80.

Publicado

em

Para os amantes da arte, da arquitetura e da nostalgia, o  Museu de Arte de Londrina começa a ser readequado. O prefeito Marcelo Belinati assinou nesta segunda-feita a ordem de serviço para o início das obras e entregou oficialmente as chaves do espaço para os responsáveis da Universo Empreendimentos, empresa vencedora da licitação.  As obras tem a previsão de durarem 5 meses com um custo de cerca de R$ 1,250 milhão.

O Museu de Arte de Londrina é um espaço de arte e de memória. O prédio que abriga o Museu é um dos mais valiosos bens e símbolos culturais da cidade e representa um marco da arquitetura modernista no Paraná. O prédio foi construído para ser a Estação Rodoviária e os responsáveis pelo projeto arquitetônico foram os consagrados arquitetos João Batista Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi. Ele é bem tombado pelo Patrimônio Estadual desde 1974.

Foto: Divulgação

Londrina possui um importante acervo de obras projetadas por Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi. Foram construídos 7 projetos do período entre 1948 e 1955: Cine Ouro Verde, Edifício Autolon, Rodoviária (atual Museu de Arte), Casa da Criança, vestiários Londrina Country Club e casa Dr. Milton Menezes. Destes, dois são de propriedade da Prefeitura Municipal de Londrina: a Antiga Rodoviária e a Antiga Casa da Criança, ambos utilizados como equipamentos culturais.

A partir da implementação pela Secretaria Municipal de Cultura de uma política pública para a área de Patrimônio Cultural, com a  elaboração de um Plano Diretor de Preservação, foram  definidas várias diretrizes patrimoniais. Entre estas a  realização de inventário de bens culturais, a elaboração de Lei de Preservação, a realização de projetos de educação patrimonial e o  restauro de edificações emblemáticas.

Nesta perspectiva, em 2010,  foi realizada a contratação de um  projeto específico para o restauro  do Museu de Arte (Antiga Rodoviária). Este projeto, elaborado  pela ArquiBrasil Arquitetura e Restauração, de Curitiba – Pr, começa a ser executado com recursos próprios do Município. As obras previstas para o edifício são relativas a impermebilização da cobertura, troca do piso das plataformas sob os arcos, reparo nas esquadrias, troca de vidros e instalação de equipamentos de segurança e acessibilidade.

Publicidade

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Cidadania

Londrina lança programa Bota Fora para recolher entulhos

Programa consiste na limpeza de entulhos descartados irregularmente na cidade.

Publicado

em

O Município, por meio da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), apresentou na manhã desta quinta-feira (16), o programa “BOTA FORA, jogue limpo com sua cidade”. A solenidade foi no Centro Cívico, em frente da Prefeitura.  O programa consiste na limpeza de entulhos descartados irregularmente na cidade em três modalidades – limpeza de pontos de descartes irregulares, mutirões de limpeza e dia de “BOTA FORA” para que a população de um determinado bairro coloque os materiais inservíveis na calçada para a CMTU recolher.

No lançamento, foi assinada a ordem  para prestação de serviços de limpeza geral e coleta, transporte de resíduos inertes, entulhos, galhos e demais materiais semelhantes dispostos de forma irregular nas vias e logradouros públicos. Para realizar este serviço, a CMTU utilizará 33 funcionários de uma empresa terceirizada, 9 caminhões basculantes com capacidade para 10 m³, pá-carregadeira, uma bob cat, triturador de galhos e um soprador de folhas. O objetivo com o triturador de galhos é que, depois de fragmentados, os resíduos sejam utilizados como adubo no viveiro municipal. Os veículos e  equipamentos foram posicionados na frente da Prefeitura.

Logo após a assinatura da ordem de serviço, pelo prefeito de Londrina, Marcelo Belinati, foram limpos os primeiros locais. Os trabalhos tiveram início pelo ponto de descarte localizado no final da avenida Jorge Casoni e outro na rua Francisco de Assis Ruiz, nas proximidades do Colégio Estadual Ubedulha Correia de Oliveira, na região norte. Hoje Londrina, tem aproximadamente 150 pontos de descartes irregulares, mesmo a CMTU tendo limpado dezenas no ano passado.

O prefeito frisou  que é absurdo a população jogar de tudo na área pública, já que isso prejudica a própria pessoa com um ambiente poluído.  “Estamos incrementando as ações de limpeza”, declarou.  “É um trabalho que será intensificado  agora para que tenhamos uma cidade mais limpa e com qualidade de vida para a população”, completou.

O presidente da CMTU, Marcelo Cortez, destacou que as novas ações são para inibir os descartes irregulares e que o programa “BOTA FORA” tem como objetivo a educação e a conscientização das famílias para que não joguem entulhos em fundos de vale e áreas públicas. “Estes locais são extensão da nossa casa. Precisamos cuidar adequadamente”, disse.

Conscientização – Além da limpeza, o programa vai trabalhar a conscientização da população para descartar corretamente seus entulhos e a fiscalização do poder público e sociedade nos locais que serão limpos.

Hoje a cidade conta com 2 Pontos de Entrega Voluntária (PEVs), localizados no Jardim Nova Conquista, na zona leste, e no Residencial Vista Bela, na zona norte. O presidente Cortez informou que a CMTU está em processo de implementação de mais duas áreas. “Já conseguimos as licenças ambientais e estamos licitando os materiais para a construção”, afirmou. Ele lembrou ainda que desde o início do mês, os PEVs tem vigilância 24 horas por dia, nos sete dias da semana.

Também participaram da solenidade o vice-prefeito, João Mendonça; o presidente da Câmara, Ailton Nantes; o vereador Jairo Tamura; secretários municipais, funcionários da CMTU e da Prefeitura, entre outros.

Leia Mais

Cidadania

Mais quadras poliesportivas são construídas em Londrina

Nova arena será inaugurada no Vista Bela.

Publicado

em

Londrina vai ganhar mais uma arena multiuso. O projeto da Prefeitura Municipal prevê a construção de várias quadras poliesportivas em várias regiões da cidade. O Residencial Vista Bela (Zona Norte) foi contemplada com a estrutura, cujo o objetivo é incentivar a educação através do esporte.

As arenas tem grama sintética, iluminação e arquibancada. Além do Vista Bela, outros bairros também receberam as quadras poliesportivas, e no geral, a aceitação tem sido muito positiva.

O prefeito Marcelo Belinati (PP) falou sobre os projetos:

Famílias estão frequentando os espaços, que antes eram ociosos ou degradados. Em conjunto disso, a CMTU e Secretaria de Meio Ambiente realizam mutirões de limpeza e revitalização em praças e outras estruturas urbanas em Londrina. Atualmente, os trabalhos revitalizam a Rua da Alegria, no Conjunto Milton Gavetti,

Leia Mais

Cidadania

Cohab promete 2 mil novas moradias populares até 2020

Objetivo da prefeitura é reduzir déficit habitacional na cidade.

Publicado

em

LONDRINA – Após muitos anos sem construir moradias populares para as famílias de baixa renda, a Companhia de Habitação de Londrina (COHAB) volta a entregar unidades habitacionais na cidade. Atualmente estão em construção dois empreendimentos, voltados para famílias com renda familiar de até R$ 2,6 mil, que se enquadram na faixa 1,5 do Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV), uma parceria entre o Município de Londrina, por meio da COHAB, e a Caixa Econômica Federal (CEF).

O prefeito Marcelo Belinati comentou, em uma de suas redes sociais, que a construção das moradias objetiva libertar as famílias do fardo do aluguel. “Estudos apontam que as famílias vivem mais felizes quando moram em casa própria. Há muitos jovens que adiam o casamento por falta de ter onde residir, outros casam e continuam morando com os pais, sogros, no fundo do quintal. Sem falar nas pessoas que trabalham em Londrina e moram em cidades da região, porque aqui o aluguel é caro. Foi com a preocupação deste sério problema social, que autorizei a COHAB a construir novas moradias”, disse.

O Residencial Village, localizado na Rua João Vítor da Silva Sobrinho, no bairro Residencial Cancun, próximo ao Conjunto Habitacional Vivi Xavier, zona norte, conta com 128 apartamentos, divididos em quatro módulos. Os apartamentos do Residencial Village I, II e III, que totalizam 104 unidades, têm área útil de 50,10 metros quadrados. As outras 24 unidades, do Residencial Village IV, têm 44,22 metros quadrados de área útil.

Cada apartamento do Residencial Village custa aproximadamente R$ 100 mil e poderão receber subsídios do governo federal de até aproximadamente R$ 36 mil. Possui dois quartos, banheiro, sala, cozinha conjugada com área de serviço, e uma vaga de garagem interna não coberta. As obras iniciaram em agosto de 2018 e a primeira fase, que atualmente está 50% concluída, tem previsão de ser entregue até setembro deste ano. A fase II está 18% concluída e deve ser entregue por volta de novembro de 2019 e as outras em 2020.

Obras na Zona Norte de Londrina – Foto: Divulgação

O prefeito Marcelo Belinati comentou, em uma de suas redes sociais, que a construção das moradias objetiva libertar as famílias do fardo do aluguel. “Estudos apontam que as famílias vivem mais felizes quando moram em casa própria. Há muitos jovens que adiam o casamento por falta de ter onde residir, outros casam e continuam morando com os pais, sogros, no fundo do quintal. Sem falar nas pessoas que trabalham em Londrina e moram em cidades da região, porque aqui o aluguel é caro. Foi com a preocupação deste sério problema social, que autorizei a COHAB a construir novas moradias”, disse.

O Residencial Village, localizado na Rua João Vítor da Silva Sobrinho, no bairro Residencial Cancun, próximo ao Conjunto Habitacional Vivi Xavier, zona norte, conta com 128 apartamentos, divididos em quatro módulos. Os apartamentos do Residencial Village I, II e III, que totalizam 104 unidades, têm área útil de 50,10 metros quadrados. As outras 24 unidades, do Residencial Village IV, têm 44,22 metros quadrados de área útil.

Cada apartamento do Residencial Village custa aproximadamente R$ 100 mil e poderão receber subsídios do governo federal de até aproximadamente R$ 36 mil. Possui dois quartos, banheiro, sala, cozinha conjugada com área de serviço, e uma vaga de garagem interna não coberta. As obras iniciaram em agosto de 2018 e a primeira fase, que atualmente está 50% concluída, tem previsão de ser entregue até setembro deste ano. A fase II está 18% concluída e deve ser entregue por volta de novembro de 2019 e as outras em 2020.

Na região Leste, outro empreendimento, voltado para famílias com o mesmo poder aquisitivo do Residencial Village, está 99% concluído e deve ser entregue no início de abril. Trata-se do Residencial Vila Romana, que possui unidades localizadas em 19 lotes distribuídos no loteamento denominado Residencial Vila Romana.

O empreendimento conta com 19 casas com 41 metros quadrados de área útil, distribuídos em dois quartos, banheiro, sala, cozinha e área de serviço. O valor unitário é de R$ 90 mil e também poderão receber subsídios do governo federal de até aproximadamente R$ 36 mil. Segundo o presidente da COHAB-LD, Luiz Cândido de Oliveira, a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) está concluindo a rede de água e esgoto no local, para que as unidades possam ser entregues. ”As famílias que habitarão no Vila Romana já foram selecionadas e também já assinaram o contrato de financiamento junto à CEF”, informou.

Oliveira enfatizou que há muitos anos o município não produzia unidades habitacionais por intermédio da COHAB, voltadas as famílias com renda familiar de até R$ 2,6 mil mensais. “O último empreendimento, lançado pelo Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), que é um pouco diferente dos moldes destes empreendimentos, aconteceu em 2009, ou seja, há 10 anos. Com isso, a construção destas novas moradias representa um marco significativo para a cidade, pois representa a retomada do processo de construção de casas populares e alavanca outros empreendimentos”, afirmou.

OUTRAS UNIDADES

A COHAB também tem previsão de contratação de outras moradias populares, para este ano e também para 2020. Somente na região norte a previsão é construir três empreendimentos. No Conjunto Habitacional Violin, que contemplará 48 apartamentos; no bairro Peroba Rosa, que contará com outras 888 unidades habitacionais, e no Moradas de Portugal, com mais 1.000 apartamentos. Também há previsão de construção de outros 208 apartamentos, na região leste, no Gleba Lindóia, além dos lotes urbanizados com previsão de implantação de aproximadamente 1.500 lotes, estes com financiamento direto com a COHAB-LD.

Segundo Oliveira, a documentação destes empreendimentos já está em análise pela equipe de Engenharia da Caixa Econômica Federal e assim que for aprovada, a Companhia irá publicar um Edital de Chamamento, convocando as pessoas que moram na região e têm interesse nas unidades. Elas também irão participar no processo de seleção do faixa 1,5 do PMCMV. “As famílias que ainda não possuem cadastro na COHAB também terão a oportunidade de fazê-lo, para que possam participar do processo de seleção”, concluiu o presidente da Companhia.

Leia Mais
Publicidade

Curta o 24Horas