- Publicidade -

Sem uso, ciclovia será removida da avenida Ayrton Senna, em Londrina

Leia também:

Jovem de 19 anos morre atropelado na BR-369 em Apucarana

Acidente aconteceu próximo ao monumento do boné, na entrada da cidade.

BRF abre 130 vagas de empregos em Londrina

Do total, 65 vagas serão preenchidas imediatamente.

Caravana de Natal da Coca Cola passa por Londrina e Maringá na semana que vem

Cidades recebem os caminhões enfeitados no dia 13 e 14.
Derick Fernandeshttps://www.24horas.com.br
O jornalista Derick Fernandes é editor chefe do 24Horas
- Publicidade -

Quatro anos após ser construída, a ciclovia que liga a Avenida Ayrton Senna com a Madre Leônia Milito, na Gleba Palhano, deve ser removida pela Prefeitura de Londrina.

A remoção é um pedido dos comerciantes da região, que reclamam do pouco uso da faixa pelas bicicletas, e do congestionamento que se forma no trecho nos horários de pico. “Ninguém usa isso aí, se dez bicicletas passam por dia, é muito”, reclama um empresário que tem uma cafeteria na avenida.

O 24Horas permaneceu por uma hora na altura do número 200 da Avenida Ayrton Senna. Nesse período todo, a reportagem contabilizou apenas um ciclista que se aventurava entre os carros estacionados nas margens da avenida. “Não costumo passar todos os dias. Só pra ir para casa e para pedalar no Lago Igapó”, relatou.

Os motoristas também reclamam muito, aliás, eles são os que mais reclamaram. O fluxo intenso às 18h é um verdadeiro teste de paciência, e todos são unânimes nisso. Alguns contaram que chegaram a ficar por até 40 minutos na Ayrton Senna, para chegar até a Madre Leônia.

Avenida Ayrton Senna: Nos horários de pico, trânsito se torna insuportável – Foto: Derick Fernandes / 24Horas

Com tudo isso, a ideia é construir mais uma faixa de tráfego na avenida e colocar o estacionamento o lugar da ciclovia. Para o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina (IPPUL) essa medida vai aliviar o trânsito no local, que nos últimos dez anos, mais do que dobrou devido a construção de dezenas de edifícios.

O argumento é que, em 2015, quando construída, a ciclovia foi mal planejada e a cidade não contava com um plano de mobilidade, que justamente serve para definir estratégias e projetar novos modais, o que está sendo feito. Conforme a proposta, a cidade terá um plano específico para as ciclovias, e planejamento para implantá-las.

Nova faixa deve ser construída na Avenida Ayrton Senna – Foto: Derick Fernandes / 24Horas

Um exemplo é a Avenida Saul Elkind, onde recentemente foi construída a continuação da ciclovia que liga o Aquiles Stenghel, no Cincão, ao Conjunto Parigot de Souza, do outro lado da Zona Norte. A obra é de ligação, e serve não só para o lazer, mas também para conectar dois pontos específicos. No caso da Saul Elkind, a realidade é diferente da ciclovia na Gleba Palhano, e no trecho diariamente circulam centenas de ciclistas.

Ainda, conforme a prefeitura, novas ciclovias devem ser construídas com o objetivo de conectar pontos de comércio e residências na cidade. Apesar da geografia de Londrina não colaborar por conta das várias descidas e subidas, como no caso da Ayrton Senna, o planejamento servirá para isso: ciclovia onde realmente haja demanda, para que não se torne um mero modal inutilizado.

Assine nossa Newsletter

Receba diariamente as principais notícias do Paraná e do Brasil.

Comentários

#Face24H

- Publicidade -