Sindicato aprova redução salarial e jornada para funcionários do transporte coletivo em Londrina

Empresas também podem suspender contratos por até 60 dias.

Leia também:

Londrina vira assunto no Twitter por relatos de violência sexual entre jovens e adolescentes

Elas chamam a atenção para casos de violência e abusos, e pedem por Justiça.

Homem que estava em carro roubado morre em confronto na BR-369 em Cambé

Homem estava armado. Polícia encontrou droga no carro.
Derick Fernandeshttps://www.24horas.com.br
O jornalista Derick Fernandes é editor chefe do 24Horas
- Publicidade -

Uma assembleia de trabalhadores do transporte coletivo de Londrina aprovou nesta terça-feira (07) uma proposta de acordo coletiva sugerida pelas empresas que operam o sistema na cidade, com base na medida provisória 936, assinada pelo Governo Federal.

A Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU) determinou a redução da frota na cidade em 23 de março, por causa da pandemia de coronavírus. Dos 450 ônibus em Londrina, 30% estão rodando com tabela de sábado.

Por conta disso, as empresas informam que houve uma redução drástica de receitas, e isso impacta diretamente no salário dos funcionários. Entre as medidas aprovadas nesta terça-feira, está a redução de jornada e de salários em 25%, 50% ou 70%, por até três meses.

Nesse período, os trabalhadores vão receber o benefício do Governo Federal, conforme o percentual reduzido.

O acordo também possibilita que a Londrisul, TIL Transportes Coletivos, e a Transporte Coletivos Grande Londrina (TCGL) suspendam contratos de trabalho por até 60 dias por meio de acordo individual. As medidas afetam mais de 1000 empregados.

Na avaliação do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Londrina (Sinttrol), os trabalhadores entenderam o momento da economia. Em declaração, o presidente do sindicato, João Batista da Silva, disse acreditar que a situação será normalizada o quanto antes, com o serviço de transporte coletivo e o retorno ao trabalho de todos os funcionários.

A CMTU frisou que as empresas tem que cumprir as ordens de serviços determinadas pela própria companhia e devem se adequar as escalas para atender integralmente a prestação do serviço na cidade.

Fique ligado:

- Publicidade -