Prefeito de Maringá denuncia ameaças de morte por decretos contra coronavírus

Ele também falou que empresas entraram com ação para funcionar.

Leia também:

Governo do Paraná decide manter comércio fechado por mais dez dias

Cidades do Oeste foram na contramão das decisões do governador.

Estados Unidos aprovam tratamento promissor contra o coronavírus

Tratamento usará sangue de quem já foi curado da doença.
Derick Fernandeshttps://www.24horas.com.br
O jornalista Derick Fernandes é editor chefe do 24Horas

O prefeito de Maringá Ulisses Maia denunciou hoje que recebeu ameaças de morte após a cidade baixar uma série de decretos para conter o avanço de coronavírus. A declaração de Maia foi feita durante uma entrevista ao programa Balanço Geral, da RIC TV.

Segundo o prefeito, muitas pessoas da cidade relutaram em aceitar as medidas, como o fechamento do comércio, suspensão de eventos e o decreto de um toque de recolher das 21h às 05h. Maringá tem 4 casos de coronavírus confirmados.

A cidade também determinou multa de R$ 300,00 para o cidadão que descumprir as medidas e ainda está multando comerciantes que abrirem durante o período em que o comércio estiver fechado.

“Não vou desistir. Fui ameaçado de morte. Pode me ameaçar. Tomei essas medidas para o bem da população maringaense e os demais órgãos competentes estão ao nosso lado”, disse Ulisses Maia ao falar das ameaças.

O prefeito também disse que um posto de combustível da cidade entrou na Justiça para abrir sua loja de conveniência, e também falou de um açougue que ingressou com uma ação para funcionar normalmente, mas ambos não tiveram liminar concedida.

Sobre as ameaças, Maia disse que tomará as medidas cabíveis.

Assine nossa Newsletter

Receba diariamente as principais notícias do Paraná e do Brasil.

Comentários

#Face24H

- Publicidade -