Maringá

Professora vai responder por homicídio após morte de menina asfixiada com bolsa em Nova Esperança

Criança ficou internada por cinco dias antes de ter morte cerebral confirmada.

MARINGÁ – A professora de uma escola particular de Nova Esperança, no noroeste do Paraná, será indiciada por homicídio culposo (sem intenção de matar) pela morte de uma criança de 1 ano e 11 meses, que morreu após se asfixiar com a alça de uma bolsa.

O acidente aconteceu em 14 de dezembro. Alana Gabriela Costa Almeida estava desmaiada quando foi socorrida e reanimada no hospital da cidade. Em seguida, ela foi transferida de helicóptero ao Hospital Universitário de Maringá, no norte do estado, onde teve morte cerebral confirmada cinco dias depois.

O relatório do caso foi concluído nesta quinta-feira (17) e será enviado ao Fórum nesta sexta-feira (18). Com a conclusão da investigação, o Ministério Público do Paraná (MP-PR) analisa o caso e pode pedir aprofundamento das investigações, arquivamento do caso, ou apresentar denúncia à justiça.

O que se concluiu, segundo o inquérito, é que “a professora estava dentro de sala, preenchendo documentação. A professora não viu o momento que a criança se entrelaçou na mochila, mas no instante seguinte, ao perceber a situação, correu para socorrê-la, porém já havia ocorrido a constrição da carótida, que causa falta de oxigenação no cérebro”.

Menina foi levada de helicóptero para Maringá – Foto: Andre Almenara

A investigação aponta que houve negligência da professora, porque ela poderia ter o contato com a mochila se houvesse cautela de recolher as alças, no entanto, não havia previsibilidade que ocorresse um acidente.

O crime de homicídio culposo tem pena prevista de um a três anos. Sem antecedentes criminais, se condenada, a professora pode cumprir em liberdade.

O advogado que representa a Escola Espaço Aprender, de Nova Esperança, disse que não irá se manifestar no momento sobre o caso.

Publicidade

AGORA NO 24H:

1
Fale com o 24Horas!

Envie fotos, vídeos ou sugestões!
Powered by
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios