Polícia prende homem que matou bailarina Maria Glória em Maringá

Foram 32 dias de investigação até a prisão do homem.

Leia também:

Maringá confirma as primeiras mortes por coronavírus no Paraná

Vítimas tinham 84 e 54 anos. Outras pessoas estão na UTI com suspeita da doença.

Londrina confirma mais três casos de coronavírus; Total vai a seis

Treze adultos e duas crianças estão em UTIs com suspeita da doença.

Governo do Paraná decide manter comércio fechado por mais dez dias

Cidades do Oeste foram na contramão das decisões do governador.
Derick Fernandeshttps://www.24horas.com.br
O jornalista Derick Fernandes é editor chefe do 24Horas

Policiais civis prenderam na manhã desta sexta-feira (28), em Apucarana, o homem identificado como Flávio Campana, de 41 anos. Ele é acusado de ser o autor do assassinato da bailaria Maria Glória Poltronieri Borges, de 25 anos, registrado em 26 de janeiro em Mandaguari, na região de Maringá.

O corpo da jovem que era carinhosamente chamada de ‘Magó’ pelos amigos e familiares, foi encontrado em uma estrada rural, próximo a uma cachoeira. Ela tinha ido até o local para aproveitar o fim de semana fazendo o que mais gostava – estar próxima à natureza.

Os policiais chegaram até Flávio Campana, também conhecido como Frajola, após uma série de investigações que levantaram provas e hipóteses para o homicídio. Magó violentada e estrangulada pelo criminoso, e não teve chances de se defender.

+ Bailarina é encontrada morta em Mandaguari, na região de Maringá
+ Últimas notícias no 24Horas Maringá

Desde o início das investigações, Campana já era considerado o principal suspeito do crime. A polícia informou que ele já tinha passagens por estupro, e chegou a ter seu material genético coletado durante o inquérito. O homem foi ouvido pela Polícia Civil acerca dos fatos, e entrou em contradição várias vezes.

Na tarde de quinta-feira (27), um laudo do Instituto Médico-Legal (IML) deu resultado positivo para a compatibilidade do material genético do criminoso comparado ao material coletado do corpo da vítima.

Maria da Glória foi encontrada morta em Mandaguari no dia 26 de janeiro – Foto: Arquivo pessoal

PRISÃO

Diante das evidências do crime, na manhã desta sexta-feira, uma operação conjunta das polícias civis de Maringá, Mandaguari e Apucarana localizaram e prenderam o homem. Flávio não esboçou nenhuma reação durante a prisão, e também não se declarou inocente.

Desde a data do crime, Flávio estava escondido em um imóvel no Centro de Apucarana, localizada a 86 quilômetros de Maringá. Para chegar nele, foram ouvidas mais de 50 testemunhas, em razão da dificuldade do local, que não tem câmeras de segurança.

Após a prisão, o homem foi levado para Mandaguari, onde presta depoimento na delegacia. A expectativa é que até o final da manhã, ele já esteja detido em Maringá.

PAI DE MAGÓ: JUSTIÇA SENDO FEITA

Maurício Borges, pai da bailaria Maria Glória, declarou durante a manhã em entrevista à Rádio CBN de Maringá, que a família está tranquila e acompanhando o caso. Segundo ele, a sensação é de que a justiça está sendo feita.

Pai de Magó em entrevista à Rádio CBN – Foto: Arquivo / Divulgação

“A gente recebeu com alívio a notícia da prisão desse rapaz, que ainda é uma prisão preliminar, precisa ser ainda confirmada e retificada com os exames de DNA, mas isso já é um grande conforto pra gente no sentido de que nós temos certeza que essa é a pessoa que cometeu esse crime absurdo contra a Maria Glória”, afirmou Borges.

“Sabendo que ele está preso, mesmo que seja provisoriamente, nós ficamos muito mais tranquilos e a única coisa que a gente tem a dizer agora é que, neste caso, a justiça está sendo feita. Mas eu acho que a gente tem que continuar trabalhando daqui para frente para que tantos outros casos de violência contra a mulher, que não conseguiram ser concluídos, sejam concluídos e que a gente continue trabalhando para que essa triste realidade seja banida da nossa sociedade”, comentou o pai de Magó.

*Redação com CBN Maringá

Assine nossa Newsletter

Receba diariamente as principais notícias do Paraná e do Brasil.

Comentários

#Face24H

- Publicidade -