- Publicidade -
- Publicidade -

Maconha pode piorar vício em cocaína, diz estudo brasileiro

A partir de casos de pacientes em reabilitação, pesquisadores da USP publicaram artigo mostrando que fumar a erva com o objetivo de amenizar 'fissura' de outras drogas pode, na verdade, aumentar risco de recaída e de piora do funcionamento cognitivo.

Leia também:

Silvio Santos se envolve em processo de paternidade, e pode ser pai novamente

O apresentador Silvio Santos, também dono do SBT (Sistema Nacional de Televisão) poderá ser papai novamente.

Vítimas de acidente com cinco mortos na BR-277 eram da mesma família

Carro aquaplanou e bateu de frente com ônibus no trecho entre Palmeira e Irati.
Redaçãohttps://www.24horas.com.br
Reportagens da Redação 24Horas
- Publicidade -

Mas não é o que indicam agora pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) em um artigo publicado em dezembro no periódico internacional Drug and Alcohol Dependence.

Acompanhando o histórico de 123 pessoas em etapas de um, três e seis meses — 63 dependentes de cocaína e usuários recreativos de maconha; 24 dependentes de cocaína, apenas; e 36 voluntários saudáveis, sem histórico de uso de drogas, compondo um grupo controle —, os autores afirmam praticamente “descartar” o uso da maconha fumada como estratégia de tratamento para dependentes de cocaína.

Isto porque, a médio e longo prazo, a associação entre essas drogas mostrou maior propensão à recaída e piora em capacidades cognitivas, como na atenção e memória. Mas não descartam, porém, o potencial de exploração para tratamento da dependência em cocaína de uma substância específica da maconha, o canabidiol, que, isolado, tem demonstrado seu efeito terapêutico para outros usos.

Apesar de ser focar dependentes de cocaína (ou crack, originado da mesma planta, mas fumado), os pesquisadores da USP dizem que seus resultados têm ressonância no uso recreativo da maconha pelo público em geral e seus efeitos psiquiátricos (confira mais abaixo).

“A cocaína está no grupo das substâncias denominadas estimulantes, como a metanfetamina e outros sintéticos. Já a maconha tem uma classificação de droga perturbadora da atividade mental, que pode produzir efeitos psicóticos, mas cujo uso é associado a uma sensação de relaxamento, de diminuição da ansiedade. São efeitos encarados como complementares, portanto a frequência que vemos dos usuários associarem essas substâncias”, explica Hercílio Pereira de Oliveira Júnior, primeiro autor do artigo, doutor e pesquisador em psiquiatria na Faculdade de Medicina da USP.

RESULTADOS INÉDITOS

Os dependentes em cocaína participantes passaram um mês tratando-se em internação voluntária no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP e, depois, foram acompanhados pela equipe. Eles eram predominantemente homens, com idades entre 25 e 35 anos e mais ou menos dez anos de escolaridade. Já o grupo controle foi formado por funcionários do hospital e de um posto policial próximo; por estudantes de uma escola nas redondezas; e moradores da vizinhança.

Um mês após a alta, mantiveram a abstinência 77% dos dependentes de cocaína que também fumavam maconha; após três meses, 35%; seis meses, 19%.

Já no grupo de dependentes de cocaína que não fizeram uso de maconha, 70% mantiveram a abstinência após um mês de alta; três meses depois, o percentual foi de 44%; e seis meses, 24%.

Assim, no primeiro mês, o grupo que também fumava maconha se manteve mais abstinente, mas depois do terceiro mês, a tendência se inverteu, indicando possíveis danos desta combinação de drogas em um prazo maior.

Pesquisa incluiu acompanhamento dos pacientes com exames de neuroimagem

Em comparação ao grupo controle, o estudo encontrou ainda piores indicadores neurocognitivos nos dois grupos dependentes de cocaína em habilidades como memória, velocidade de processamento e tomada de decisão. Mas aqueles que usavam também maconha tiveram resultados ainda piores nas chamadas funções executivas — ligadas por exemplo à capacidade de sustentar a atenção em certos contextos, memorizar informações e planejar comportamentos mais complexos. Estes mostraram ainda maior dificuldade para frear impulsos.

Estas habilidades foram medidas com testes cognitivos e exames de neuroimagem. Durante o processo, os participantes foram monitorados também com exames de urina, para verificar o eventual uso de drogas.

Os autores defendem o ineditismo dos experimentos resultados, até mesmo a nível mundial, por incluir uma amostra razoavelmente homogênea e numerosa, um grupo controle, testes de urina para excluir o uso de outras drogas e uma bateria intensa de testes de acompanhamento.

Mas apontam também limitações, como a não consideração de outras variáveis que não o uso de drogas com possível interferência em funções cognitivas, por exemplo a qualidade do sono; e ainda a falta de um grupo formado por usuários exclusivamente de maconha, que poderia contribuir para o entendimento isolado dos impactos desta droga.

EXPERIÊNCIA COM METADONA NA REABILITAÇÃO DE USUÁRIOS DE HEROÍNA

Desde os anos 1990, substâncias como a metadona (do grupo dos opioides) têm sido usadas como estratégia de redução de danos na reabilitação de dependentes de heroína e de outras drogas injetáveis, com resultados positivos em alguns países. A partir da experiência com a heroína, alguns estudos anteriores — para o grupo da USP, com lacunas importantes e sem evidências suficientes — vinham defendendo também a maconha fumada como estratégia eficaz no tratamento de usuários de cocaína e crack.

“Ficamos mais ou menos 20 anos com a ideia, com estudos pouco definidos e controlados, de que a maconha poderia fazer bem (no tratamento da dependência em cocaína). Alguns grupos e terapeutas chegavam a sugerir o uso de maconha para pacientes dependentes de cocaína sem a validação científica”, diz Paulo Jannuzzi Cunha, um dos autores do artigo e professor da pós-graduação em psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP.

Não há tratamento farmacológico aprovado para o tratamento da dependência de cocaína. Em linhas gerais, especialistas indicam algumas estratégias, como a terapia cognitivo-comportamental e o tratamento médico-psiquiátrico de transtornos associados ao vício, como depressão e hiperatividade.

O LIM-21 defende especificamente, no caso de crise e necessidade de desintoxicação, a internação breve e de caráter voluntário, para evitar o isolamento da sociedade, e com uma equipe multidisciplinar e técnica.

O QUE RESULTADOS COM DEPENDENTES PODEM INDICAR SOBRE PÚBLICO AMPLO

‘Ficamos mais ou menos 20 anos com a ideia, com estudos pouco definidos e controlados, de que a maconha poderia fazer bem (no tratamento da dependência em cocaína)’, diz Paulo Jannuzzi Cunha

Uma outra limitação do artigo publicado no Drug and Alcohol Dependence, segundo seus próprios autores, foi a impossibilidade de analisar o tipo de maconha usada pelos participantes, já que eles consumiam a droga em casa ou em suas atividades sociais.

Assim, não foi possível precisar se o TCH ou o canabidiol (CBD), duas das substâncias mais importantes na maconha, puderam ter maior ou menor contribuição para os efeitos negativos em usuários de cocaína e crack.

Em outras frentes, o canabidiol especificamente tem se destacado por seus efeitos terapêuticos.

“Existem alguns estudos mostrando que o CBD puro pode ser terapêutico em várias questões psiquiátricas. A gente não tem ainda nenhum estudo com o CBD como tratamento que poderia ser dado para o paciente. É possível que o CBD isolado e controlado — e não a maconha fumada, nosso estudo praticamente descartou essa estratégia — possa trazer algum benefício (no tratamento para dependência em cocaína). Precisa ser investigado”, diz Cunha.

A publicação destaca que, isoladas, cocaína e maconha já tiveram constatados efeitos negativos em funções neurocognitivas. Da cocaína, estudos já apontaram para déficit na atenção, fluência verbal, processamento espacial e altas taxas de morbidade e mortalidade. A maconha, por sua vez, já foi associada a déficits na atenção, memória, aprendizado verbal — em casos de um uso mais intenso ao longo da vida, pode haver consequências mais sérias, como dano no córtex pré-frontal e psicose.

“A associação entre cannabis e cocaína é um fenômeno atual e relevante que inclui ações misturadas das drogas e interações frequentemente desconhecidas”, diz o artigo sobre a combinação entre as drogas.

No estudo com os 123 dependentes e voluntários, os pesquisadores perceberam também que, quanto mais cedo na vida estes pacientes começaram a usar maconha e cocaína, maiores as chances de recaída. Segundo os autores, isto vai ao encontro de uma literatura que já vem mostrando de forma consolidada que o uso precoce destas drogas tem efeito importante no desenvolvimento do cérebro e em distúrbios psiquiátricos, além de estar associado a níveis mais baixos de sucesso escolar e empregabilidade.

“O amadurecimento biológico do cérebro está muito forte na adolescência e pode ser muito abalado pelo uso de substâncias tóxicas como a maconha”, diz Cunha.

Para os autores, apesar de focado em dependentes em cocaína, o estudo traz indicações sobre os efeitos da maconha fumada para um público mais geral.

“A maconha é a droga conhecida que tem maior poder para desencadear sintomas psicóticos. Isso é bastante consolidado. E linhagens de maconha com mais THC estão mais associadas a sintomas — é uma relação praticamente estatística”, diz Oliveira Júnior.

Entrevistados pela BBC News Brasil, ele e Paulo Jannuzzi Cunha dizem ter opiniões pessoais sobre iniciativas como a liberação do uso recreativo do uso da maconha. Mas, como pesquisadores, defendem políticas e decisões públicas baseadas em evidências.

BBC NEWS

Assine nossa Newsletter

Receba diariamente as principais notícias do Paraná e do Brasil.

Comentários

#Face24H

- Publicidade -